EndoPelvic - Centro Multidisciplinar de Endometriose
Acesso restrito Acesso Restrito

LARC, será este o método contraceptivo que pode te ajudar?

LARC Long-Acting  Reversible Contraception (Contracepção reversível de longa duração)

Contraceptivos reversíveis de longa duração são métodos contraceptivos que oferecem propriedades contraceptivas durante um longo período de tempo sem que durante esse tempo seja necessário qualquer ação por parte do utilizador. Estes métodos incluem, dispositivos intrauterinos e implantes contraceptivos.

DIU de Cobre

O dispositivo de cobre é livre de hormônios e sua contracepção ocorre por um revestimento de fio de prata corado com cobre. O material não é tóxico e ou alérgico e impede a gestação por inflamar o tecido que reveste o útero, causando alterações bioquímicas e morfológicas que inibem a fecundação pelo espermatozóide. É indicado para mulheres que não querem fazer uso de hormônios sintéticos ou que não podem receber progesterona, como portadoras de câncer de mama, o DIU de cobre, que é livre de tais substâncias. O DIU de Cobre tem duração média de 10 anos.

DIU de Prata

Este DIU não é novo no mundo, mas é o único anticoncepcional intrauterino que combina cobre e prata, ou seja, o DIU de prata, na verdade, também contém cobre. A combinação dos dois elementos tem o intuito de diminuir a fragmentação do cobre no organismo (evento raro), e por isso, o medicamento promete aumentar sua eficácia e diminuir a chance de intensificar o fluxo e cólica menstruais (sintomas comuns nas usuárias do DIU de cobre). Seu formato em Y foi pensado para facilitar sua inserção e remoção, além de ser menor do que o de cobre, o que poderia gerar menos dor na hora de colocar. A duração do DIU de Prata também é diferente, sendo de 5 anos ao invés de 10 anos como o de cobre.

O uso do DIU por si só não atrapalha na fertilidade, se há desejo de tentar uma gravidez, o dispositivo pode ser retirado.

Métodos contraceptivos além da pílula e camisinha

Você com certeza conhece a pílula e a camisinha como métodos contraceptivos. Mas existem outras formas de evitar uma gravidez indesejada, sabia? Têm o DIU, o SIU, o adesivo, os implantes e muito mais. O mais indicado é conversar com um(a) ginecologista para ver qual método é mais adequado para o seu corpo.

Alguns desses métodos como o Diu de Mirena e o implante Implanon são métodos que envolvem o uso de hormônios.

Diu de Mirena

Esse dispositivo, além de produzir reações inflamatórias no útero, possui em sua estrutura o hormônio progesterona. Esse é liberado aos poucos e uma pequena quantidade pode ser absorvida pela corrente sanguínea, porém, o hormônio restringe-se mais ao útero. Ele atua da mesma forma que o DIU de cobre, causando alterações no útero que impedem a gravidez.

Além disso, de acordo com a bula do DIU de Mirena, dois terços das mulheres que usam esse dispositivo apresentam um bloqueio da menstruação.

As chances de se engravidar usando o DIU são muito baixas sendo de apenas 0,2% para o DIU de Mirena.

DIU de Mirena, por liberar hormônios, pode acabar:

Suspendendo a menstruação definitivamente (em cerca de 80% dos casos)

Causar escapes (pequenos sangramentos)

Trazer um leve aumento de peso.

Como fica a menstruação?

Com o DIU de Mirena a menstruação reduz bastante ou mesmo chega a ser suspensa enquanto ele for usado (apesar de haver risco de escapes).

Adaptação ao uso do DIU (Mirena)

A adaptação do uso do DIU varia de mulher para mulher.

Assim que o dispositivo é colocado, é normal que a mulher sinta um leve desconforto que pode durar por mais ou menos um dia.

Mas, de modo geral, qualquer desconforto costuma durar poucos dias.

Vantagens e desvantagens do DIU (Mirena)

Entre as vantagens do DIU está o fato de ele ser um dispositivo que fica fixo por um certo período no útero e funciona sozinho, não havendo risco de ser mau usado e por isso ter sua eficácia reduzida.

Suas vantagens:

Reduz ou até mesmo suspender a menstruação;

Beneficia mulheres com endometriose ou que estão em fase de transição após a menopausa;

Protege contra o câncer de endométrio;

Controle sobre dismenorréia (cólica mestrual);

Controle sobre miomas uterinos;

Controle da anemia devido às perdas sanguíneas menstruais;

Controle de Hemorragia uterina disfuncional.

Matéria por Maria Filomena P. Coutinho Souza

Ginecologia e Obstetrícia