EndoPelvic - Centro Multidisciplinar de Endometriose
Acesso restrito Acesso Restrito

Ablação de Miomas Uterinos por Radiofrequência

Nova possibilidade de Técnica Minimamente Invasiva

Uma nova técnica tem surgido com promessa de tratamento aos miomas. Trata-se da ablação do(s) mioma(s) por radiofrequência. A técnica faz parte do grupo de procedimentos minimamente invasivo. O procedimento não necessita internação, a anestesia é sedação e não anestesia geral. Geralmente as altas são dadas em torno de três a quatro horas após o termino do procedimento, sem a necessidade de internação. Quanto a dor no pós operatório, as pacientes tomam analgésicos comuns para cólica menstrual. O melhor neste procedimento e que as pacientes retornam as suas atividades profissionais em torno de 3 a 4 dias e quanto a estética não ha corte.

Como toda técnica, nem todas as pacientes podem ser abordadas por ela. Estudos inicias aqui no Brasil sugerem e recomendam que pacientes com até 5 mioma e com tamanho até 8 cm estão incluídas neste protocolo de tratamento. Outro fator a ser considerado e a localização dos miomas (veja no desenho abaixo a localização que mais indicamos este procedimento).

O procedimento consiste na localização do(s) mioma(s) através de uma sonda transvaginal (como a que se faz um ultrassom transvaginal normal). Nesta sonda é acoplada uma agulha (como a que se faz biopsia de próstata). Esta agulha está conectada a um gerador de energia através de um fio. Ao se ter certeza da localização do mioma a ser tratado, a agulha e introduzida até o mioma e procede-se a ablação (destruição) do mioma.

No esquema abaixo está representado a Classificação dos miomas segundo a FIGO (Federação internacional de Ginecologia e Obstetrícia). Os mioma que indicamos este procedimento são aqueles classificados de zero (0) ao 5 (cinco). Demais têm suas indicações por outra técnica ou via.

Os resultados são promissores:

  • em torno de 95% das pacientes tiveram redução do volume do fluxo menstrual num período de ate 12 meses pós procedimento.
  • em torno de 96 % relataram diminuição dos sintomas relacionados ao mioma.
  • a maioria das pacientes (97%) disse estar satisfeita com o tratamento (70% estavam "muito" satisfeitas e 18% "moderadamente" satisfeitas) e que o recomendaria para outras pessoas.
  • não foram observados eventos adversos relacionados com o aparelho. Foram informados eventos adversos não graves relacionados com o procedimento por 50% das pacientes, como por exemplo, eliminação de fragmentos de mioma por via vaginal (30,6%), cólicas ou dor (7,5%), leucorreia (6,1%) e infecção geniturinária sem complicações (4,8%).

Os resultados acima são do estudo Sonography Guided Transcervical Ablation of Uterine Fibroids (Sonata), 12 meses após a intervenção inicial, foram publicados na edição de janeiro do periódico Obstetrics & Gynecology pelo Dr. Scott Chudnoff, médico do Stamford Hospital, em Connecticut, e colaboradores.

A técnica é nova aqui no Brasil e por isto ainda não temos nossos resultados para serem divulgados.

Vale a pena acompanhar as noticias a respeito do novo procedimento que promete tratar mioma  em pacientes que desejam preservar seus úteros com técnica minimamente invasiva. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Classificação dos miomas - FIGO - PALM-COEIN

  • 0: Intracavitário, pediculado
  • 1: Submucoso, < 50% intramural
  • 2: Submucoso, > 50% intramural
  • 3: Intramural, tangenciando o endométrio
  • 4: Intramural
  • 5: Subseroso, > 50% ntramural
  • 6: Subseroso, < 50% intramural
  • 7: Subseroso, pediculado
  • 8: Outros (ex. cervical, parasita)

Miomas híbridos: afetam tanto o endométrio quanto a serosa.

Exemplo:  Classificação 2-5: quando o nódulo possui componentes submucoso e subseroso, com menos da metade do seu diâmetro nas cavidades endometrial e peritoneal.